Cerca de 11 minutos

Espiritualidade definitivamente está na moda, mas não pense que isto significa algo ruim. Quando algo se torna moda é porque existe uma grande quantidade de pessoas interessadas em um determinado ‘produto’ e então ele atinge um limiar onde cada vez mais pessoas querem obtê-lo.

Antes de apresentar meu entendimento sobre o que é espiritualidade, gostaria de explicar porque acredito que isto está acontecendo, o que provavelmente é o motivo pelo qual você está aqui lendo isto, e o mesmo motivo que a algum tempo atrás me levou a uma grande mudança de vida e me trouxe até aqui, escrevendo sobre espiritualidade.

Neste pequeno vídeo, a Monja Coen oferece a sua visão do motivo da espiritualidade estar na moda. Achei interessante compartilhá-lo aqui para colaborar na reflexão.

‘… e de repente a gente fala, mas tá faltando alguma coisa. E essa coisa não é material, então eu vou procurar, e eu preciso me conhecer…Estamos muito curiosos todos nós… o que sou eu? Este ser que é um mutante e que continua se transformando o tempo todo’

Este momento em que percebemos a falta de algo, é o momento em que ouvimos o chamado do nosso espírito para despertar.

O chamado do espírito

Existe um caminho natural para nossa evolução e todos vamos invariavelmente seguir por ele. No Livro dos Espíritos de Allan Kardec, temos um interessante questionamento entre o codificador e os instrutores espirituais a respeito da criação e da evolução dos espíritos. Eles instruem que “Deus criou todos os espíritos simples e ignorantes” (pergunta 115) e a medida que o espírito ignorante se desenvolve e adquire consciência de si mesmo, passa também a exercer o livre arbítrio e então cabe a ele definir o ritmo em que irá evoluir (pergunta 122).

Mais a frente no mesmo livro onde se explica a Lei do Progresso, lei que trata da marcha evolutiva constante a que todo o universo está sujeito, lemos que “O homem se desenvolve por si mesmo, naturalmente, mas nem todos progridem ao mesmo tempo e do mesmo modo” (pergunta 779) e que “Há o progresso regular e lento que resulta da força das coisas. Quando, porém, um povo não progride tão depressa quanto deveria, Deus o sujeita, de tempos em tempos, a um abalo físico ou moral que o transforma”.

Hermes Trimegisto, um misterioso mestre que viveu no Egito uns 2.500 a.C e deixou uma profunda obra de 36 livros sobre os mais diversos temas, a maioria dos quais infelizmente foram perdidos no passado, define um conjunto de Leis Universais que regem o mundo manifesto, chamadas de “Sete Leis Herméticas”. A segunda delas, a Lei da Correspondência, nos diz que “Aquilo que está acima é como o que está abaixo, aquilo que está fora é como o que está dentro”. Podemos verificar a verdade e exatidão desta lei observando a Criação, onde o microcosmo espelha o macrocosmo e nossa realidade exterior reflete a realidade interior.

Assim, podemos esperar que da mesma forma que um povo que não progride no ritmo adequado está sujeito eventualmente a um abalo que o transforma e o coloca em movimento, assim será também com o individuo. Quando um espírito não evolui no ritmo em que deveria para acompanhar as mudanças evolutivas da Criação em que está inserido, logo um abalo físico ou moral acontece e faz com que ele retorne ao seu caminho de desenvolvimento.

Basta refletir um pouco, e encontraremos muitos exemplos extremos destes conceitos, onde uma pessoa se transforma radicalmente depois da perda de um ente querido, de uma doença grave ou qualquer outra situação que o leve a um limite. Para a imensa maioria das pessoas não é necessário um extremo, porém o Universo é extraordinariamente didático e começa a chamar nossa atenção de forma bastante amorosa e delicada, aumentando a intensidade na mesma proporção que nós aumentamos o grau em que ignoramos seu chamado.

Para a maioria das pessoas, este chamado se traduz nesta sensação de vazio que é sentida dentro, de que falta algo em si. Esta necessidade de encontrar o que está faltando é a porta para mais uma etapa no processo de evolução da espécie humana, ela leva ao autoconhecimento. Estamos sendo chamados pelos gestores espirituais da humanidade terrestre a darmos este passo, pois é chegado o momento de integrarmos esta parte que nos falta e nos tornarmos mais completos.

Todos os seres humanos neste momento estão percebendo este chamado de uma forma ou de outra, e aqueles que deliberadamente o ignorarem, serão chamados de forma cada vez mais enfática para “despertarem”. Este é o processo que tanto se fala na nova espiritualidade, no pensamento new age, o grande despertar da humanidade.

Algumas teorias da conspiração alegam que poderes ocultos que tem controle sobre os recursos da Terra manipulam a sociedade por meio do medo, do consumo, da erosão dos valores morais, da divisão de classes e gêneros, da sexualidade exacerbada, da música, do cinema, do envenenamento da água e da comida, e muitas outras atrocidades para enfraquecer o corpo e a mente humanas. Desta forma, o ser humano se tornaria um refém, um escravo, perdendo a sua habilidade de reconhecer sua parcela espiritual e o seu verdadeiro poder, e apenas aqueles poderosos teriam para si o direito de se “iluminar” e poderiam dominar com mãos de ferro os recursos da Terra, incluindo as pessoas, na busca de seus objetivos egóicos e obscuros.

Não sei se acredito nesta hipótese, mas também não consigo racionalmente negá-la. As notícias estimulam o medo a todo instante retratando apenas as tragédias e desgraças, o estímulo ao consumo prende as pessoas a necessidade de ter sempre mais. Notícias falsas e veículos de comunicação totalmente parciais colocam a culpa sempre em um grupo gerando divisão. Direita e esquerda, branco e negro, homem e mulher. A pornografia virou coisa normal na música e na televisão. Pesticidas, agrotóxicos, transgênicos. Exploração e destruição dos recursos naturais. Animais criados em cativeiros degradantes, apenas aguardando o abate. É bastante perceptível que a sociedade atual não está funcionando muito bem e que é totalmente insustentável como está.

De qualquer forma, este plano não está funcionando, pois é um plano humano, e o plano divino é que todos os seres evoluam e é isto que está acontecendo de forma cada vez mais acelerada exatamente agora.

Espiritualidade no dicionário

Comecemos a explorar o que é espiritualidade então pela definição clássica do dicionário:

espiritualidade – sf
  1. Qualidade do que é espiritual.
  2. Qualidade do que manifesta ou exerce atividade religiosa ou mística; misticismo, religiosidade.
  3. Sentimento de transcendência; elevação, sublimidade.

Não me sinto esclarecido por nenhuma destas definições. A número um afirma que espiritualidade é uma qualidade e não algo. Se ela é uma qualidade do que é espiritual e nós humanos somos seres espirituais, nós podemos desenvolver a qualidade da espiritualidade, mas isto não nos dá nenhuma ideia ainda do que ela realmente seja.

A número dois afirma que espiritualidade é uma qualidade de quem manifesta ou exerce atividade religiosa ou mística. Não vou aprofundar na definição de religião aqui, mas resumidamente religião é acreditar na existência de um ser superior e prestar algum culto a este ser. Ou seja, religião (no dicionário) tem a ver com crença e prática, mas nem todas as pessoas que praticam atividade religiosa desenvolvem a qualidade da espiritualidade. Religião pode existir sem espiritualidade e espiritualidade pode existir sem religião.

A número três talvez seja a que se aproxime mais do enfoque que quero trazer aqui sobre a espiritualidade. Definir espiritualidade como um sentimento significa que ela é algo que pode ser “sentido” pelo ser humano. Assim como sentimos frio, fome e sede, podemos sentir a espiritualidade. Esta definição nos lembra do vazio falado anteriormente, e assim como a fome é a sensação física que indica a falta de alimento e a sede é a sensação física que indica falta de água, o vazio sentido é a sensação física de falta de espírito, pois quando temos muito do espírito em nós, sentimos a transcendência, elevação, sublimidade.

Então, o que é espiritualidade?

Buscando novamente apoio do Livro dos Espíritos, a primeira coisa que consta em sua introdução é um alerta e um esclarecimento para que tenhamos cuidado com o uso que fazemos das palavras, pois utilizamos muitas vezes os mesmos termos para definirmos coisas diferentes, o que leva a confusão. Quero citar aqui a explicação dos espíritos (o destaque é meu):

Para as coisas novas necessitamos de palavras novas, pois assim o exige a clareza de linguagem, para evitarmos a confusão inerente aos múltiplos sentidos dos próprios vocábulos. As palavras espiritual, espiritualista, espiritualismo têm uma significação bem definida; dar-lhes outra, para aplica-las à Doutrina dos Espíritos [espiritismo], seria multiplicar as causas já tão numerosas da anfibologia. Com efeito, o espiritualismo é o oposto do materialismo; quem quer que acredite haver em si mesmo alguma coisa além da matéria é espiritualista; mas não se segue daí que creia na existência dos Espíritos ou em suas comunicações com o mundo visível.

Na obra, os espíritos utilizam o termo “espiritualismo” e consultando novamente o dicionário para este verbete:

espiritualismo – sm
  1. Ver espiritualidade.
  2. Doutrina filosófica que tem por base a existência ou a realidade essencial do espírito e da sua diferença e superioridade sobre o corpo e a matéria.
  3. Na ética, teoria que prega a superioridade dos valores espirituais sobre os instintos e desejos materiais.

Neste contexto, espiritualidade está relacionada ao espiritualismo e quem acredita no espiritualismo é espiritualista. Podemos então concluir que espiritualidade é uma qualidade do espiritualista e que o espiritualista é aquele que acredita na existência de algo além do físico, da matéria, que acredita no espiritual.

A crença na existência do espiritual, e de que a realidade espiritual tem superioridade ou precedência sobre a matéria, coloca a vida humana em perspectiva e muda a nossa relação com tudo que é físico. Acreditar na superioridade dos valores espirituais sobre os instintos e desejos materiais, e além de acreditar, praticar esta verdade, é a própria espiritualidade.

Aquele ser humano que não reconhece sua natureza espiritual, não desenvolve sua espiritualidade. Quem sente o vazio, a fome de espírito e busca despertar, se auto conhecer, reconhece a sua natureza espiritual e desenvolve a sua espiritualidade. A espiritualidade é uma qualidade daqueles seres que se dedicam a desenvolver e a reconhecer a sua verdadeira natureza espiritual. Quando fazem isso, não sentem mais aquela sensação de vazio, de falta de uma parte sua e passam a se sentir completos, a se sentir espiritualizados.

Espiritualidade na prática

Como bem observado pelos espíritos na introdução do Livro dos Espíritos a mais de 150 anos atrás, usamos os mesmos vocábulos para diversas coisas. O termo espiritualidade também é utilizado hoje para descrever um conjunto de atitudes que afetam o comportamento das pessoas. A prática da espiritualidade vai além de apenas reconhecer que somos seres espirituais vivendo uma experiência humana e se confunde com a própria busca do que é a verdadeira natureza humana.
A verdadeira natureza humana é um assunto que merece seu próprio estudo, mas basta recorrer ao livro sagrado mais comum neste lado do planeta e dizer que fomos criados a imagem e semelhança de Deus e que Deus é amor. Então, pela simples lógica podemos afirmar que a natureza humana é amor, é amar. Amar ao próximo como a si mesmo e o próximo é tudo que existe, seja mineral, vegetal, animal ou humano. Pelo amor o homem quer o bem e o melhor para tudo e para todos, e isto leva a evolução e ao desenvolvimento.
Quando nossos pensamentos, palavras e ações são inspirados pelo amor, a resposta química que criamos em nosso organismo nos causa sensações de bem estar, e isto é tudo o que precisamos analisar para compreender que agir com amor é a melhor escolha. Além da reação química do corpo humano, há também questões mais sutis em relação a nossa energia. Quando estamos próximos de uma pessoa que se ama e ama aos outros, somos contagiados por essa energia. O amor por tudo e por todos é uma característica das pessoas espiritualizadas.
Na prática, pessoas espiritualizadas agem com amor e cuidado em tudo que fazem buscando sempre o melhor para tudo e para todos. São mais caridosas, fraternas, tolerantes e pacientes. Evitam julgar outras pessoas e se esforçam para melhorar seus pensamentos, palavras e ações. Compreendem que não existe uma verdade absoluta e perdem a necessidade de ter sempre razão. Lidam melhor com suas emoções e sentimentos e se tornam mais felizes e saudáveis.
Não por acaso, em 1998 a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu a espiritualidade como uma das dimensões da saúde e definiu para si que “saúde é um estado dinâmico de completo bem-estar físico, mental, espiritual e social, e não meramente a ausência de doença ou enfermidade”.

Um futuro brilhante

Estamos vivendo um momento impar na história da humanidade, o momento do despertar coletivo. Muito está acontecendo nos planos invisíveis que culminará com a transformação da Terra no paraíso descrito na Bíblia, na Nova Terra, em um Planeta de Regeneração. E quem irá colocar as mãos na massa para esta transformação somos nós.
A espiritualidade é o caminho para resolver os problemas atuais da sociedade e o motivo porque a cada dia o chamado do espírito é sentido de forma mais forte e insistente em todas as pessoas que ainda o ignoram. É chegado o momento da espécie humana dar um salto evolutivo, e quem não está participando do movimento será convidado constantemente por meio dos “abalos físicos e morais”. O autoconhecimento é o caminho estreito e íngreme para reconhecer nossa verdadeira natureza espiritual, e este é um caminho individual e experiencial que cada ser precisa trilhar por conta própria.
Se o ser humano aprendesse e evoluísse na felicidade, o sofrimento não seria necessário. Infelizmente, é no momento das grandes tragédias que ele resgata seus valores mais divinos, como a solidariedade, a compaixão e a fraternidade. Ele deixa de lado todas as diferenças, se ajudando mutuamente, amando ao próximo como a si mesmo.
Podemos esperar ver cada vez mais situações desagradáveis acontecendo no mundo e muitos irão sentir medo, pois não compreendem a beleza do sistema de ensino e evolução. Quem está desperto e buscando sua espiritualidade reconhece a necessidade das tragédias para acordar aqueles que ainda dormem e por isso não sentem medo, estes estão sendo preparados para ajudar a todos aqueles que neste momento buscarão desenvolver sua espiritualidade.
Este é o caminho para a construção do Paraíso na Terra, da Nova Terra, da Nova Raça Humana, do Planeta de Regeneração.
Um futuro brilhante nos aguarda, nesta e nas próximas vidas!
Diogo Luiz Miranda

Diogo Luiz Miranda

A mudança que queremos ver no mundo começa em nós, por isso compartilho ideias sobre autoconhecimento, espiritualidade e o novo pensamento.

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados e aparecem no site somente após aprovação. Conheça os critérios